close
logorovivo2

MOMENTO LÍTERO CULTURAL

POR SELMO VASCONCELLOS

14 de Maio de 2019 às 08:45

 BRUNA LIZAS – ENTREVISTA Nº 708.

 

PEQUENA BIOGRAFIA

 

Bruna Lizas é paulistana, estudou por 3 anos psicologia e sempre gostou de exercer seu lado artístico, pintando quadros, tocando em uma banda e escrevendo poesias que ficavam engavetadas.

Hoje estuda biblioteconomia, trabalha em uma biblioteca e busca caminhos para publicar seu primeiro romance.

 

ENTREVISTA

 

ANITA COSTA PRADO - O que você gosta de ler? Algum(a) autor(a) influencia seu trabalho?

BRUNA LIZAS - Um dos primeiros livros que li foi Dom Casmurro e mesmo que seja uma leitura pesada para o vocabulário, me apaixonei, daí em diante não parei mais de ler e tenho um carinho enorme pelo Sidney Sheldon, li quase todos os livros desse autor, o suspense que ele traz, o realismo dos personagens me inspiraram a escrever pequenos textos e, enfim, um livro. Além desses, amo livros como Harry Potter, Percy Jackson, Jogos Vorazes e afins. Na minha humilde opinião,  são livros que nos inspiram e a imaginação flui muito mais leve, nos fazendo entrar na trama e sofrer com ela.

 

TAMIRES - Suas poesias são reveladoras, sem meias-palavras. Você acha que a escrita não deve limitar a poesia?

BRUNA LIZAS - Não deve haver limites na escrita, ela deve ser translúcida, deixar o sentimento fluir, só assim deverá ser verdadeira.

 

NATHÁLIA - Em alguns textos temos a perspectiva de primeira pessoa, suas inspirações se baseiam em acontecimentos reais? Até que ponto elas refletem o que você se tornou hoje?

BRUNA LIZAS - Os temas escritos são frequentes na vida cotidiana, inclusive na minha. Acredito que a minha maior inspiração para os poemas sejam eventos que me causaram essas emoções, o medo, o amor, a angústia. Sendo a escrita uma forma de aliviar tais sentimentos, acredito que pode , sim,  ser uma maneira de combater tais sentimentos. Comigo através da escrita e com o leitor, através da identificação.

 

POESIAS

 

Chuva de Meteoros  

 

O medo consome, corrói e destroça

Assim como o mundo além da janela

Busco ajuda por socorro, por um simples afago

Corro e me escondo, choro pela minha alma

Procuro uma maneira de sobreviver

Olho para os lados, não me resta mais nada

Somente a destruição

Fogo por toda parte, grito sem parar

Chuva de meteoros, fim dos tempos

Corra, se esconda, salve sua alma

Corram, voltem para suas famílias

E observem o fim do mundo. 

 

(in) Justiça

 

 Aqueles que buscam dar educação

Hoje caminham na ostentação

Esqueceram como é importante crescer 

Largam nossos jovens 

Para com o governo aprender

Para serem alienados, jogados e julgados

Minorias sempre tem que ceder

E a quem iremos recorrer?

Os pais não saem da frente da TV

As lousas já não chamam tanta atenção

A tela do android tem mais informação

O que falta de amor, tá sobrando de maldade

Será que existe essa tal liberdade?

O que falta pro jovem é amparo e igualdade

Será que existe espaço pro jovem na sociedade?

Olhando ao meu redor, eu pude perceber

Nossos jovens à deriva e os pais, cadê? 

 

O Fim

 

É inútil lutar contra aquilo que os olhos não veem

Entorpece as alusões do seu passado

Perceber que não importa que fez ou faz

Nada irá mudar

Enquanto o tempo passa, eu fico num deslumbre, sentado

Sem saber ao certo o que fazer

Sem conseguir pensar

Enquanto minha vida se apaga

Junto ao último fio de luz que você me proporcionava

E vejo que no fim, há coisas na vida que não se podem mudar

 

A Morte

 

Tão vã a necessidade da busca de um olhar

Do apreço e aceitação

Incessante necessidade de ter para enfim ser

A fúnebre decadência pela busca de ser visto

Para no fim, sem nada, ir

Sem afago e sem amor

Sem material ou sentimentos

Somente você

A carregar pela eternidade a decadência de uma vida

Onde a busca do ter não levou a ser.

 

Meus sonhos

 

Em dias que o sol vem

Forte, brilhante e pertinaz

Que me deixa embriagado com seu calor, 

Limitado e passageiro

Não é nem de perto tão intenso e caloroso 

Como seu chegar

Manso, tímido e acolhedor

Que envolve, domina e me embala

Que seduz, me impregna

Me leva para longe, mas não saio do lugar

Me traz ao mundo num sussurro

Mas somente quando o sol se vai, você vem

E fico à espreita, esperando ele ir

Para deleitar de um beijo

Esperando seu sussurro me levar para longe

Num momento inteiramente nosso

Onde eu posso ser inteiramente seu.

 

MAIS COLUNAS

Selmo Vasconcellos

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS