close

Funcionamento do Hospital Regional de Cacoal é prioridade do Governo do Estado

Funcionamento do Hospital Regional de Cacoal é prioridade do Governo do Estado

DA REDAÇÃO

27 de Março de 2010 às 11:19

Funcionamento do Hospital Regional de Cacoal é prioridade do Governo do Estado

FOTO: (Divulgação)

O início do atendimento no Hospital Regional de Cacoal (HRC) para atender com mais facilidade e rapidez aos mais de 800 mil habitantes da região é uma das prioridades do Governo de Rondônia, que, depois da estrutura física, passa a investir na compra dos equipamentos com os recursos da ordem de R$12.783.897,12, repassados nesta semana pelo Ministério da Saúde, e na contratação dos servidores. A confirmação foi feita nessa quinta-feira (25) pelo secretário estadual da Saúde, Milton Moreira, aos representantes do Sindicato dos Médicos de Rondônia (Simero), Rodrigo Almeida e Willian Paschoalim, durante reunião em que foram tratados vários temas de interesse da saúde pública, alguns específicos da classe médica.
 
Em solenidade marcada para às 8h30 da próxima terça-feira (30), o governador Ivo Cassol e o vice João Cahulla entregam a conclusão da obra civil do HRC.
 
O secretário voltou a lamentar a redução drástica do valor repassado pelo Ministério da Saúde ao Estado para a compra de equipamentos para o HRC, que antes eram de R$ 35 milhões, passando para R$ 22 e agora pouco mais de R$ 12 milhões foram repassados. Sobre a contratação do pessoal, Milton Moreira lembrou que o Estado primeiro deu oportunidade para que os servidores efetivos da Sesau lotados em Porto Velho optassem por trabalhar na unidade médica de Cacoal, mas houve apenas 220 inscritos, dos quais apenas 11 são médicos. Em seguida foi lançado processo seletivo, que acabou sendo suspenso devido ao atraso do Ministério da Saúde para repassar os recursos dos equipamentos e, com isso, o governo decidiu aproveitar o tempo para preparar concurso que garantirá a contratação efetiva e não emergencial. O secretário revelou que as inscrições serão abertas tão logo a Secretaria de Estado da Administração (Sead) conclua o cronograma.
 
A falta de sintonia dos municípios com o Estado também esteve no foco da reunião, quando o secretário Milton Moreira voltou a criticar o fato de a Prefeitura de Porto Velho ter se acomodado com a perda da gestão plena da saúde há mais de 10 anos, gerando com isso sobrecarga para o governo estadual, que é responsável também pelo atendimento de pacientes transferidos de outros municípios. Os representantes do Simero afirmaram ao secretário que houve avanços na saúde estadual, o que não ocorreu com a da Capital, começando pela falta de médicos.
 
A Central de Regulação Médica, cujo modelo é avaliado pelo estado, bem como o estabelecimento de novos critérios para estagiários com vistas a evitar superlotação nas unidades médicas, corpo clínico fixo nos hospitais, entre outros assuntos também estiveram em pauta e deverão ser rediscutidos para definição de estratégias.
 

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS