close
logorovivo2

MARIA DA PENHA: Final de semana é marcado por muita violência contra mulher

Ocorrido no município de Candeias do Jamari, um bárbaro feminicídio praticado a pauladas contra a professora Joselita Félix da Silva, revoltou a população de Rondônia

RONDONIAOVIVO

18 de Março de 2019 às 16:19

MARIA DA PENHA: Final de semana é marcado por muita violência contra mulher

FOTO: (Montagem/Rondoniaovivo)

O número de violência doméstica foi alarmante neste final de semana em Porto Velho (RO). Somente na Central de Flagrantes foram registradas 14 prisões por crime de lesão corporal contra a mulher, da sexta-feira (15) até domingo (17).

 

Ocorrido no município de Candeias do Jamari, um bárbaro feminicídio praticado a pauladas contra a professora Joselita Félix da Silva, revoltou a população de Rondônia. O autor do crime, Ueliton Aparecido S., 35,  tinha sido preso um dia antes por violência doméstica, mas acabou solto após pagar fiança de R$ 4 mil.

 

Na capital, além dos 14 agressores presos em flagrante, houve também outras ocorrências em que o homem espancou a mulher, mas fugiu antes da chegada da Polícia Militar. A maioria dos casos foram noticiados pelo Rondoniaovivo.

 

FEMINICÍDIO: Homem invade residência e mata brutalmente ex-mulher a pauladas

 

INFIDELIDADE: Mulher é surrada pelo amante, esposa e filha dele ao tentar diálogo

 

MAIS UM: Ex-Marido ataca mulher a pauladas para não ficar com os filhos

 

POR CIÚMES: Mulher é atacada a facadas na frente das filhas ao ser flagrada com vizinho

 

DESACORDADA: Ex-namorado desmaia mulher na porrada em residência de Porto Velho

 

REVOLTANTE: Foragido é suspeito de agredir e tentar matar mãe a facadas

 

OUTRA: Mulher é agredida a pauladas por homem em frente de motel

 

BÁRBARO: Mulher nua foi assassinada com 15 facadas e degolada

 

ENFORCADA: Marido tem crise de ciúmes e tenta matar mulher durante discussão

 

ATAQUE: Vizinho tenta matar mulher a golpes de facão durante discussão

 

Lei Maria da Penha

 

A Lei Maria da Penha estabelece que todo o caso de violência doméstica e intrafamiliar é crime, deve ser apurado através de inquérito policial e ser remetido ao Ministério Público. Esses crimes são julgados nos Juizados Especializados de Violência Doméstica contra a Mulher, criados a partir dessa legislação, ou, nas cidades em que ainda não existem, nas Varas Criminais.


A lei também tipifica as situações de violência doméstica, proíbe a aplicação de penas pecuniárias aos agressores, amplia a pena de um para até três anos de prisão e determina o encaminhamento das mulheres em situação de violência, assim como de seus dependentes, a programas e serviços de proteção e de assistência social.

 

 A Lei n. 11.340, sancionada em 7 de agosto de 2006, passou a ser chamada Lei Maria da Penha em homenagem à mulher cujo marido tentou matá-la duas vezes e que desde então se dedica à causa do combate à violência contra as mulheres.
O texto legal foi resultado de um longo processo de discussão a partir de proposta elaborada por um conjunto de ONGs (Advocacy, Agende, Cepia, Cfemea, Claden/IPÊ e Themis). 

 

Esta proposta foi discutida e reformulada por um grupo de trabalho interministerial, coordenado pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), e enviada pelo Governo Federal ao Congresso Nacional.


Foram realizadas audiências públicas em assembleias legislativas das cinco regiões do país, ao longo de 2005, que contaram com participação de entidades da sociedade civil, parlamentares e SPM.


A partir desses debates, novas sugestões foram incluídas em um substitutivo. O resultado dessa discussão democrática foi a aprovação por unanimidade no Congresso Nacional.

 

Em vigor desde o dia 22 de setembro de 2006, a Lei Maria da Penha dá cumprimento à Convenção para Prevenir, Punir, e Erradicar a Violência contra a Mulher, a Convenção de Belém do Pará, da Organização dos Estados Americanos (OEA), ratificada pelo Brasil em 1994, e à Convenção para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (Cedaw), da Organização das Nações Unidas (ONU).

*Aos leitores, ler com atenção*

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens.

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA
RONDONIAOVIVO TV
DESTAQUES EMPRESARIAIS
PUBLICAÇÕES LEGAIS
COLUNAS